Post da Colunista: A importância dos blogueiros literários

Oi, oi! Como vocês estão? :)

Esta semana foi de muito trabalho e de muitas ideias para os meus blogs (quem quiser conhecer, pode conferir meu post de apresentação). E me peguei pensando, entre um post e outro, em como não é fácil manter um conteúdo que interesse aos leitores. Gente, é muito complicado! Ainda mais se você é doida e tem dois blogs, como eu, além de outros compromissos. Foi pensando nisso que encontrei o tema do post de hoje. Aliás, o tema dos tópicos de hoje.

O que vocês acham dos blogs literários que estão surgindo? 


Esta é uma pergunta pessoal, mas acho que também vou responder. É incrível o número de blogs bacanas que vem surgindo de um ano para cá. Isso é muito bom. Mais blogs significa mais autores divulgados, mais livros divulgados, mais promoções, mais pessoas interessadas em melhorar a nossa literatura e uma série de outros detalhes. Mas também tenho que ser realista: quanto maior o número de blogs, mais difícil criar um vínculo com o leitor.

Muita gente não sabe, mas dá trabalho manter um espaço como esse. Primeiro porque você não escreve para si mesmo, está sendo observado o tempo todo e isso não é tão simples. Segundo porque, na maioria da vezes, o investimento é totalmente do blogueiro, que não ganha para ser blogueiro (ainda, né, gente, vamos ter fé na coisa! o/). Isso dificulta bastante a chance de inventarmos campanhas maiores. E terceiro, porque muitas vezes o que atrai os leitores, é justamente a primeira impressão e esse pode ser o nosso maior vilão, muito embora não justifique o conteúdo, o carinho com quem acompanha o blog ou a frequência nas postagens.

O que um blogueiro literário precisa considerar?



Esse é o ponto. O blogueiro literário, antes de qualquer coisa, tem que gostar do que faz. Não importa se considera seu blog um hobbie ou trabalho. E querendo ou não, ele é um formador de opinião. Tem que se preocupar com conteúdo, com o estímulo visual do seu espaço, saber se relacionar com os leitores e entender o mínimo de tudo que envolve horas e horas na frente do computador. Noites inteiras, muitas vezes. Nem todo blogueiro começa preparado assim, é verdade. Nem eu comecei. Mas acho que hoje, com todas as informações divulgadas, canais no YouTube e sites de consultoria, não é difícil tirar dúvidas básicas. Ah, Carol, você está querendo tirar onda só porque tem dois blogs. Não é isso. Eu só quero dizer que hoje acho muito mais fácil começar um blog ciente do que é ter blog do que quando eu comecei, lá atrás, no auge dos 17 anos com um blog feminino (Bloguinho da Miguxa), um gótico (Sweet Darkness) e um de entretenimento (Talentosa, atual Entre Livros). Não riam. :3

A opinião alheia


Já ouvi pessoas me perguntarem "por que raios eu não me ocupo com algo que dê dinheiro". Mas sabe quando você não está com vontade de explicar a existência de posts pagos ou anúncios comissionados? Pois é. Hoje existem ferramentas. Coisas, inclusive, que nem eu entendo bem, mas não é difícil pensar em parcerias com autores independentes ou leitura crítica. E vai de cada um escolher cobrar por isso, apesar de a maioria dos blogueiros literários que eu conheço fazer o que faz porque gosta, mesmo que considere a possibilidade. Tipo eu.

Também já ouvi perguntinhas do tipo "você não se incomoda que o blog de fulano(a) seja melhor que o seu?" e, gente, isso me irrita até hoje. O motivo é simples: cada blog é um blog, mesmo que todos falem sobre a mesma coisa. Os blogs podem ser concorrentes? Claro que sim. Mas eu não acho legal quando essa concorrência escorrega para o lado pessoal, quando transforma um hábito saudável na necessidade de ultrapassar curtidas ou qualquer coisa do tipo. Portanto, não, eu não me incomodo. Até porque eu acompanho e participo de vários blogs. Acho que se eu quero que meu blog seja grande, vou pensar nele. Não no do outro. Acho que vai muito daquela coisa de "pegar apenas os bons exemplos" e acho que posso até melhorar algo do meu (melhorar, não copiar) a partir do que vi dar certo em outros.


O Plágio


Nem sempre é fácil separar o vi esse post do postei. Vejo acontecer sempre e fico de olho no post de outras blogueiras quando mostram que rolou algum plágio nas resenhas ou posts. Gente, pra quê? Isso é crime. E perder um tempo escrevendo, postando e pensando em coisas para dizer e depois ver alguém copiar na cara de pau é doloroso. Não vou falar sobre o que fazer nesses casos, essa não é a ideia. Mas acho que, em primeiro lugar, um blogueiro literário tem que saber que que está ali para falar dos mesmos livros e autores que um mar de gente. Mesmo que em datas diferentes, por escrito ou no vlog. Não faz diferença. Na verdade, a diferença vai de como ele vai abordar o tema, vai da criatividade. Se ele quer conteúdo diferenciado e público para o blog, por que ainda copia o trabalho do outro? Não tem lógica, é sem graça e só mostra o quanto alguns blogueiros ainda não sabem o que é ter um blog. E não sabem escrever. #prontofalei





É, gente. Não é fácil... 

A gente sabe. Mas como uma blogueira literária eu posso dizer que a gente também sabe que vale a tentativa. Pelas amizades literárias, pelos autores, pelos livros, pelos eventos, pelas parcerias e principalmente por recadinhos de parabéns ou comentários fofos dos leitores (mimimi zero aqui, ok? Eu realmente gosto). Acho que cada espaço é um e que até quem começa sem experiência ou direcionamento consegue mudar da água para o vinho, se quiser. Acho que o blogueiro literário hoje é uma ferramenta importantíssima e acho que esse assunto ainda dá muito pano para manga. Quem sabe eu não poste de novo sobre isso, né? Tudo bem que só coloquei aqui a minha opinião (e até contei com artes do Indiretas de Blogueira, página que eu adoro e que caiu como uma luva no post de hoje), mas seria legal saber a de vocês e falarmos sobre isso. Que tal?


Espero que tenham gostado e que tenham tido paciência para ler até aqui! Se vocês conseguiram, sintam-se abraçados (sou dessas!). Beijos e até o próximo post-testamento. ;)




[Resenha] Amy & Matthey

Olá! Como estão? A Resenha de hoje é de Amy & Matthey! Espero que gostem!

Título: Amy & Matthey
Autor: Cammie McGovern
Editora: Galera Record
Páginas: 331
ISBN: 9788501070180
Cotação:4 esrelas
Sinopse: Amy e Matthew não se conheciam realmente. Não eram amigos. Matthew sabia quem ela era, claro, mas ele também sabia quem eram várias outras pessoas que não eram seus amigos.Amy tinha uma eterna fachada de felicidade estampada em seu rosto, mesmo tendo uma debilitante deficiência que restringe seus movimentos. Matthew nunca planejou contar a Amy o que pensava, mas depois que a diz para enxergar a realidade e parar de se enganar, ela percebe que é exatamente de alguém assim que precisa.À medida que passam mais tempo juntos, Amy descobre que Matthew também tem seus problemas e segredos, e decide tentar ajudá-lo da mesma forma que ele a ajudou.E quando a relação que começou como uma amizade se transforma em outra coisa que nenhum dos dois esperava (ou sabe definir), eles percebem que falam tudo um para o outro... exceto o que mais importa.• Cammie McGovern é uma das fundadoras do Whole Children, uma instituição que oferece aulas extras e programas de auxílio para crianças com necessidades especiais. • Amy e Matthew é o seu primeiro livro destinado ao público jovem adulto. • Para os fãs de Eleonor & Park, nas listas de mais vendidos do país.

Amy & Matthey foi um dos lançamentos mais esperados e comentados pelo blogueiros devido ao sucesso fora do páis. Muitos falaram que é uma mistura de A Culpa é das Estrelas com Eleanor & Park. Quando a Galera Record falou dos lançamentos de Fevereiro de 2015 eu me apaixonei primeiro pela capa e depois pela sinopse, devido a isso criei inúmeras expectativas e acho que por essa razão o livro não me agradou tanto. 

Foi difícil para mim entrar no clima da história da Camie McGovern. A narrativa dela é cansativa, ainda mais que esta na terceira pessoa. Eu acho que o livro seria melhor  se fosse alternado entres os dois jovens. 

Mesmo com essas minhas pequenas decepções a história não deixa de ser interessante. O tema que a autora escolheu é bem interessante, mesmo depois do sucesso de A Culpa é Das Estrelas, mas me pareceu que ela não soube aproveitar.  Sei que muitos gostaram a ponto de amar, mas esse livro  não foi muito bom pra mim.

Em Amy e Matthey conhecemos a história do Mathey e da Amy (sério?). Amy teve paralisia cerebral e por esse motivo não fala (na verdade ela fala, mas, para Mathey, é apenas consoantes, tornado-se assim difícil de entender), nunca teve amigos de verdade sem ser seus pais. Amy também anda em um andador e não consegue controlar suas expresso~es facias.

Matthey é praticamente um adolescente "normal" como a maioria, que esta estudando no terceiro ano, prestes a fazer uma faculdade.

Mas o que uniu esses dois adolescentes completamente diferentes?

"Não se paga as pessoas para que sejam nossos amigos, Amy"

É, é praticamente isso que você leu acima. Como Amy precisa de alguém que a ajude sempre, devido a sua deficiência e normalmente essas pessoas são adultas ela resolve que quer que os próprios alunos da escola a ajudem depois de passar por um longo processo de treinamento que parece ser cansativo. Desse jeito Amy vai fazer novas amizades pois cada um dos alunos da escola que ela estuda devem apresentar no mínimo uma pessoa pra ela, assim ela vai conhecer gente nova e vai conseguir se relacionar melhor para ir para a faculdade.

E a pedido da Amy o Matthey vai passar pelo rigoroso treinamento apenas para ajudá-la.

Essa para mim não foi só uma história de romance clichê bem melosos mas sim uma verdadeira história de amizade.

Se você quer ler um livro curto, para ler, se emocionar e chorar, esse é o certo.





 

 

 

[TAG] Liebster Award

Bom dia, leitores lindo. Tudo bem com vocês?

Hoje eu vim aqui para fazer uma TAG chamada Liebster Award.


 Eu vi essa TAG no blog Romantic Gril da Suelen Mattos e ela consiste em responder 11 perguntas, criar 11 perguntas para os 11 blogs taguiados responderem. Preparados?

As Perguntas: 

1- Qual o primeiro livro que leu esse ano? 
 O primeiro livro que li esse ano foi Princípe Mecânico da Casandra Clare. 
2- Qual livro você indica a todos os seus amigos?
 O livro que li e indico a todos é Vinte Garotos no Verão, as Batidas Perdidas do Coração e todos da Paula Pimenta
3- Qual livro você não indicaria nem ao seu pior inimigo?
Acho que não indicaria O Senhor dos Anéis para ninguém de tanto que não gostei
4- Defina sua vida amorosa com o título de um livro.
 A esperança, com certeza.
5- Se você fosse o personagem principal do último livro que leu, em que lugar do mundo você estaria?
 Eu estaria em pleno Natal vivendo doze histórias diferentes (O último livro que li foi O Presente do Meu Grande Amor).
6- Abra o livro mais próximo de você na página 100. Qual é a primeira frase?
 "Em todas as janelas, os picos cobertos de neve refletem tanta luz do sol que os olhos chegam a doer". O livro mais próximo de mim é Cante Para Eu Dormir (por falar nisso indico para todos vocês
7- Se você pudesse juntar a mocinha de um livro com o mocinho de um livro diferente, qual seria o novo casal formado?
 Se eu pudesse fazer isso acho que o casal seria a Clary de Instrumentos Mortais e  o Derek de Acampamento Shadow Falls pois quando soube um pouco mais do Derek logo lembrei da Clary.
8- Qual o nome de personagem mais esquisito que você já viu?
 Bah, que pergunta, nunca havia parado para pensar nisso mas acho que é Ebenezer (oi?) de um dos contos de O Presente do Meu Grande Amor
9- Qual livro você quer muito ler e desse ano não escapa?
 Estou querendo terminar de Ler Maze Runner desde o ano passado, afinal, não li nem o segundo livro.
10- Você prefere livro em papel ou e-book?
 Eu prefiro toda a vida ler livro em papel pois não gosto de e-book pois não me prende.
11- Qual sua leitura atual?
No momento estou lendo Amy & Mathey

11 Perguntas ao Blogs Taguiados: 

1. Por que resolveu criar o blog?
2. Qual seu gênero predileto?
3. Qual o último livro que leu?
4;. Que livro esta lendo?
5. Que livro que você não pode deixar de ler esse ano? 
6.Qual o seu casal literário (ship) favorito?
7. Você gosta de ouvir música enquanto lê?
8. Você consegue me dizer apenas um livro predileto?
9.  Se você pudesse ser um personagem de um livro qualquer qual seria?
10. Você tem alguma editora favorita?
11. Qual a sua capa favorita? 


11 Blogs Taguaidos:

1. Asas Secretas
2. Hey, Eu amo livros
3. escrita Literária
4. Entre um Livro e Outro
5. Felicidade em Livros
6. Entre Livros
7. Estava Lendo
8. Atributos de Verão
9. Livros, Café e Sonhos
10. Mais Um Pra Coleção
11. Doces Resenhas

 

Falando sobre O Presente do Meu grande Amor.

Oi! Tudo bem?

Hoje eu vim aqui com uma coluna, um pouco diferente. A coluna "Falando Sobre" terá a partir de hoje vários posts aqui no blog. Em "Falando Sobre" eu darei um pouco da minha opinião sobre o livro, mas não uma resenha, apenas algo mais curto. 
Espero que gostem

Título: O Presente do Meu Grande Amor   
Autor: David Levhitan, Gayle Forman e outros
Editora: Intrínseca
Páginas: 350
ISBN: 9788580576252
Cotação: 4 estrelas
Sinopse:     Se você gosta do clima de fim de ano e tudo o que ele envolve — presentes, árvores enfeitadas, luzes pisca-pisca, beijo à meia-noite —, vai se apaixonar por O presente do meu grande amor'. Nas doze histórias escritas por alguns dos mais populares autores da atualidade, há um pouco de tudo, não importa que você comemore o Natal, o ano-novo, o Chanucá ou o solstício de inverno       



Há um certo tempo, não venho me emprisionado tanto com os livros da Intrínseca, parece que eles estão publicando cada vez menos livros de aventura, drama e romance, que são meus gêneros prediletos.  Para vocês terem uma ideia, os últimos livros que li foram os do John Green, no começo de 2014.  Quando vi esse lançamento em novembro gostei bastante da capa e da sinopse, e vários  booktubers e blogueiros literários falaram bem dele, mas, para mim, pareceu que eles não distribuíram nas livrarias. Sempre que ia não achava e na internet estava bem carinho.


Quando finalmente pude iniciar a leitura, gostei bastante e fiquei até de queijo caído. Em "O Presente do Meu Grande Amor" a Intrínseca nos apresenta doze contos que possuem algum ligamento ao Natal, a data do ano favorita para milhares de pessoas. 

Confesso que nem sei dizer qual conto é o melhor, mas tem muitos contos bobos e desnecessários (por isso dei 4 estrelas). Se você gosta de Natal e esta procurando uma leitura rápida, gostosa e criativa essa é a solução. Muitos desses autores eu não conhecia, mas se os livros dos mesmos forem tão bons quanto esses contos vale muito a pena ler!




Esse livro é, com certeza, aqueles que dá para ler e reler inúmeras vezes, sem se cansar.

Autores e seus Contos:

“Meias-noites”, de Rainbow Rowell
“A dama e a raposa”, de Kelly Link
“Anjos na neve”, de Matt de la Peña
“Encontre-me na estrela do Norte”, de Jenny Han
“É um milagre de Yule, Charlie Brown”, de Stephanie Perkins
“Papai Noel por um dia”, de David Levithan
“Krampuslauf”, de Holly Black
“O que diabo você fez, Sophie Roth?, de Gayle Forman
“Baldes de cerveja e menino Jesus”, de Myra McEntire
“Bem-vindo a Christmas, Califórnia”, de Kiersten White
“Estrela de Belém”, de Ally Carter
“A garota que despertou o sonhador”, de Laini Taylor



 *olha só essa beleza de marcadores ^^


                                                             


[Resenha Filme] Boyhood - Da Infãncia a Juventude

Oi, pessoal! Tudo bem?

Hoje eu vim aqui fazer uma resenha de um filme aproveitando que o Oscar (vamos fazer algumas colunas relacionada ao cinema durante essa semana ) rolou nesse último fim de semana e esse BoyHood - Da Infância a Juventude foi indicado. Como é a primeira que faço espero que fique boa!

Sinopse:  "Boyhood" é a obra-prima de Richard Linklater ("Antes do Anoitecer", "Antes do Pôr do Sol" e "Antes da Meia Noite"), que foi filmado ao longo de 12 anos com o mesmo elenco: Ethan Hawke, Patricia Arquette, Ellar Coltrane e Lorelei Linklater. O filme conta a história de Mason (Ellar Coltrane) e mostra suas mudanças dos 6 aos 18 anos de idade.
Título original: Boyhood
Diretor: Richard Linklater
Roteirista: Richard Linklater
Elenco:
Ellar Coltrane (Mason)
Patricia Arquette (Mãe)
Ethan Hawke (Pai)
Elijah Smith (Tommy)
Lorelei Linklater (Samantha)


BoyHood - Da Infância a juventude foi um filme diferente dos que eu costuma ver, esse filme me conquistou de um jeito que me apaixonei do começo ao fim. Esse filme foi produzido pelo Richard Linklater e, confesso que não o conhecia antes de assistir.

Esse filme foi bem polêmico, muitos não gostaram nem mesmo da ideia que esse filme nos apresenta, mas eu amei. Outros não gostaram devido ao fato que ele demorou doze (sim, doze) anos para ser produzido pois nele conhecemos Mason e acompanhamos a vida dele dos 6 aos 18 ano, com o mesmo ator!


Em BoyHody a passagem da vida de Mason torna o livro incrível. O garoto mora  em uma cidade do Estado do Texas, junto com a irmã, Tommy, e os pais. O pai de Mason é aquele que não liga muita para avida do filho, ele viaja a trabalho e depois tenta recompensar a ausência. Mas assim não dá, né?

BoyHood é um filme de drama, que tem como tema o bullying. Mas com esse filme vimos que tudo tem sua primeira vez...

O filme de  Richard Linklater tem cenas desnecessárias, só com enrolação. A narrativa em algns pontos chega a ser cansativa.

Se você quer um filme para rir, se emocionar e até mesmo chorar esse é o certo, mas tem que ter paciência.

Trailer do Filme:





Sorteio de Estreia



Olá! Nós, Vitória e Nathalia, estamos comemorando a estreia dos nossos blogs: Passeando com os livros e Pobre Leitora. Nada melhor do que estrear com um super sorteio não é? Nos juntamos com alguns blogs amigos e montamos alguns kits incríveis para vocês. Esperamos que gostem e participem. Boa sorte!!




[Parceria] Rodrigo Moreira - Ele não é isso

Olá pessoal! Tudo bem?

Hoje vim aqui para falar de uma nova parceria pra vocês. Na última sexta feira, dia 20 de fevereiro fechei uma parceria com o autor  do livro "Ele não é isso", o  Rodrigo Moreira.

Essa parceria foi inesperada, mas quando chegou a proposta fiquei muito entusiasmada. O Rodrigo é bem querido, e todas as dúvidas que tive, ele me respondeu com muito carinho.

Que tal falarmos um pouco do livro "Ele não é isso"?


 O livro é de suspense psicológico, com terror. O livro do Rodrigo não deixa de ser uma distopia. 
 Páginas: 252
Sinopse: 
 Em pleno marco zero de São Paulo e escondida entre as paredes do edifício Nazareth, uma história que antes fora de amor, se tornará sofrimento, tortura e medo. Em uma noite tranquila, Matias e sua esposa, Felícia, grávida de 6 meses, são atacados por um cão. Para ele, havia sido apenas um susto. Para ela, uma dolorida, mas curável, ferida na perna. No entanto, a ignorante certeza de que tudo acabará bem, desprezando a necessidade de cuidados médicos, causará sérias consequências. O que tal negligência ocasionará às vidas dessa família? Que destino um acidente simples, revelará para o mundo? Matias, enclausurado em seu apartamento com seu filho, Júnior, viverá momentos tenebrosos e sombrios que mudarão para sempre a sua história e das pessoas à sua volta. Um pai, um filho e um destino amedrontador.

Trechinho do Primeiro Capítulo:
“(...) as feridas eram claramente vistas. Era desesperador! Como se fosse um rastro deixado por algo que havia passado por ali, elas iam da nuca até o cóccix, seguindo em linha reta pela coluna vertebral.”

Onde Comprar?  
Você pode encontrar essa obra na amazon (clique aqui), mas também é possivel acompanhar os primeiros capítulos no Wattped

*** 
Eu gosto bastante de distopia, e amei a sinopse do livro. Pretendo ler o quanto antes para fazer uma resenha aqui pra vocês!
  ***

Que tal conhecerem um pouquinho o Rodrigo Moreira?


             "Rodrigo Morei­ra nasceu em São Paulo. É psicólogo e descobriu, ainda durante a facul­dade, o    prazer da escrita. Não lhe bastavam as lei­turas, fossem de grandes teóricos do desenvolvimen­to humano ou de fantásticos escri­tores de literaturas fantásticas. Sentia que era necessá­rio ingressar nesse mundo por meio de suas próprias ideias. É autor de A incrível história dos Pupus: a in­cansável procura. E agora, chega com Ele não é isso, que pretende, nem que seja por alguns ins­tantes, tirar você de 'dentro de sua concha'"


Acompanhe o autor:



Scribe: www.wescribe.co/u/rodrigo-moreira/profile

Muito obrigada pela confiança ^^ Estou muito ansiosa para descobrir um pouco mais da vida do pai e do filho. 

 




[Fotografia] Fotografando o Dia-a-Dia

Bom dia!

Hoje vim aqui para fazer mais um post relacionado a fotografia (quem não gosta? *-*).

Dessa vez fotografei coisas do meu cotidiano (até mesmo comida).

Espero que gostem!


Não deixem de comentar <3


Post da Colunista: As melhores capas da estante!

Hoje pensei em trocarmos alguma ideia sobre alguns livros que eu li e que realmente chamaram minha atenção pela capa. O que vocês acham? Eu costumo pensar que não devemos nos levar por elas, é claro, mas algumas simplesmente colocam o que eu penso no chinelo.

Pensando em melhor explicar essa preferência pelos meus livros, fiz uma listinha. E fiz o favor de postar as capas em alta resolução, postadas pelas editoras e não as minhas. Afinal, o importante aqui é que a gente divida o amor por certas cores e traços e as minhas fotos não ficaram muito interessantes... x) 
Vamos lá?

1) A Culpa é das Estrelas






















Não dá, gente. Eu adoro azul e o tom da capa de ACEDE é impossível de ignorar. A capa é muito simples, não conta com personagens ou cenários e acho que é isso que eu gosto nela. Não precisa mostrar muito para encantar. Independente da história, é uma capa que chama a atenção. Bom, pelo menos a minha.


2) Na Ilha, de Tracey Garvis Graves




















Ih, é pelo azul de novo? Não, não é. Adoro a capa pelo simples fato de não conter muitos elementos. É uma praia, sob um céu azul lindo e uma jovem de costas. Simples assim. Poderia ser um livro de romance, um chick-lit ou até um suspense, mas é um drama. E eu gosto de pegar um livro e, quando já não sei sobre o que se trata, sentir que há várias possibilidades. Isso aguça minha vontade de ler.


3) O Lado Bom da Vida, de Matthew Quick






















Sim, é pelos atores. Mas eu adoro a cor preta e acho que essa capa ficou na medida. A cartela de cores é legal e a presença dos personagens, que geralmente não fazem o meu hall de melhores capas, foi bem pensada. Principalmente depois de ler e saber quem são. Ou seja, fez sentido, casou com a proposta do livro. E essas frases de cada um separando os dois, achei muito legal.


4) Trilogia das Cartas, de Bianca Carvalho














Ok, me desculpem, mas preciso postar a trilogia. Eu curto os livros da Bianca Carvalho e fui leitora-beta de Versos Sombrios, que é meu preferido, mas as capas são um encanto a mais. Gostei das três e acho que cada uma passa uma sensação diferente. Fora que não contam com material com verniz ou qualquer detalhe extra, o que as deixa puras e simplesmente lindas. É uma das coleções que mais gostei em termos de capa. E é brasileira, né, fica mais bonito ainda de dizer.


5) Regência de Ossos, de Marcelo Paschoalin

























Mais um livro nacional e ainda não cheguei no final da lista! O autor Marcelo Paschoalin também escreveu outro livro que eu adoro, A Última Dama do Fogo, mas foi esta capa, do primeiro livro da Tetralogia dos Ossos que me ganhou. Gostei porque apesar de retratar uma rainha delicada, é sombria. Tal qual a história, mas isso é tema para outro post. A capa do livro seguinte, Crença de Ossos, segue a mesma linha, mas quem disse que consigo comparar as duas personagens? As aparências enganam, eu sei, mas vale a tentativa caso você encontre nas livrarias.


6) Série A Maldição do Tigre, de Collen Houck


























Essa merece a série toda, né? Bom, tirando a capa de A Promessa do Tigre, que não me agradou, acho que o maior barato em matéria de lançamento dos livros da Collen Houck é justamente o trabalho de capa. Por falar de príncipes indianos e uma série de assuntos relacionados, achei esperteza pura a padronagem de todos os livros. E com efeito metalizado, então, uau! Realmente é uma das séries estrangeiras mais bonitas que já vi.


E aí, vocês gostam das mesmas capas que eu? Poderia postar mais algumas, mas acho que vou pensar nisso em um próximo post. Aproveitando a deixa, todas as resenhas estão Entre Livros. Quem quiser conferir, é só passar por lá. Quero ver a opinião de vocês, ok?

Até o próximo post! :)




[Parceria] Josy L. Dias - O Despertar da Princesa de Fogo

Oi, oi! Como estão?

Quem aqui conhece a querida Josy L. Dias, autora do livro "O Despertar da Princesa de Fogo", o primeiro da série A Ordem dos Dragões? Pois bem, ela é agora parceira do blog!

Já faz um tempinho que fechei parceria, mas só hoje vim fazer um post para contar pra vocês. Que tal conhecer um pouquinho mais da Josy e do seu livro?

Skoob do livro: http://www.skoob.com.br/livros/o-despertar-da-princesa-de-fogo-a-ordem-dos-dragoes/425321ed481684
Skoob da autora: http://www.skoob.com.br/autor/12497-josy-l-dias
Twitter: https://twitter.com/josyliradias




"Josy Lira Dias - tem 35 anos, casada, com dois filhos maravilhosos. Seu maior hobby é "Ler, principalmente romances, antes de dormir". Ela prefere ler os livros impressos, pelo simples prazer de virar as páginas e sentir a textura do papel. Mesmo que ela esteja trabalhando e estudando constantemente, sempre encontra uma maneira de escrever um pouco mais. Ela procura mudar a rotina do dia a dia pensando em algo totalmente diferente. O que a inspira é imaginar e fazer tudo de uma maneira especial" 

Fantasia/Romance
 ISBN: 9788543702377
 Ano: 2014
  Páginas: 368
Editora: Baraúna
Sinopse:
"O Despertar da Princesa de Fogo: A Ordem dos Dragões - “Como você age depois de escutar coisas bizarras e de saber que pode simplesmente ter uma morte premeditada em poucos dias? O único modo que eu posso imaginar é lutando para viver.” Foi desta maneira que vida dela começou realmente, ao entrar em mundo sobrenatural, onde exitem criaturas que ela nunca considerou reais. É nesse momento que a amizade entre Aislin, Beta e Grady passa a ser constantemente testada devido aos inúmeros perigos que os cercam, será que a amizade pode ser mantida frente a tantos problemas e desafios mortais? Ela tinha achava que estava apaixonada pelo inimigo, mesmo sem vê-lo, porém um guerreiro aparece neste momento e a deixa confusa com o turbilhão de sensações que ele causa nela, só por olha-la. “Como eu faria isso dar certo? Ele passaria o dia e a noite comigo, seria um tormento constante, pois por mais que eu não quisesse admitir ele me atraía. Com o Alex era diferente, o Taurus me deixava inquieta de uma forma bruta, nem conseguia colocar em palavras.” O Livro escolhe os sobrenaturais para uma jornada onde só a resposta ao que houve com a princesa Aislin pode parar a Guerra. Nessa escolha há amigos e inimigos juntos, porém será que eles tem os mesmos propósitos? Assim começa uma jornada que não ninguém sabe para onde vai, eles só sabem que tem que fazer e encontrar respostas sobre os dons, mais a que preço... "Pensar no que estava por vir não adiantaria. Tentar prever tudo o que poderia ou não acontecer com os meus amigos, família, e principalmente com os meus sentimentos não me levariam a lugar nenhum, era como estar no meio do deserto e não saber para onde ir." 

Pra mim, essa parceria será inesquecível. É incrível como os autores nacionais estão cada vez melhores! Pretendo ler em breve "O Despertar da Princesa de Fogo" e resenhar para vocês.

Para quem gosta de livros com mistérios, reviravoltas, fantasia e bastante romance eu acho que vai gostar desse!

Josy, muito obrigada pela oportunidade e confiança. ^^




[Resenha] E Não Sobrou Nenhum

Título: E Não Sobrou Nenhum
Autor: Agatha Christie
Editora: Globo Livros
Páginas: 400
Cotação: 5 estrelas
ISBN8525057010
Sinopse: Anteriormente publicado como “O caso dos dez negrinhos”. “E não sobrou nenhum” é o maior clássico moderno das histórias de mistério. Dez pessoas diferentes recebem um mesmo convite para passar um fim de semana na remota Ilha do Soldado. Na primeira noite, após o jantar, elas ouvem uma voz acusando cada uma de um crime oculto cometido no passado. Mortes inexplicáveis e inescapáveis então se sucedem. E a cada convidado eliminado, também desaparece um dos soldadinhos que enfeitam a mesa de jantar. Quem poderia saber dos dez crimes distintos? Quem se arvoraria em seu juiz e carrasco? Como escapar da próxima execução?


E Não Sobrou Nenhumfoi o primeiro livro que li da Rainha do Crime, Agatha Christie, e confesso que foi uma das melhores tramas da vida. Com o enredo completamente envolvente, o livro, que se enquadra na literatura policial, instiga a curiosidade do leitor durante toda a história.
                  

Os primeiros capítulos do livro são exclusivamente dedicados à apresentação de cada um dos dez personagens que foram convidados a passar o fim de semana na Ilha do Soldado. Assim que chegam à ilha os convidados são acomodados e recebem a notícia de que o anfitrião, U. N. Owen, chegará somente no dia seguinte. A menção do desconhecido dono da mansão, entretanto, evidencia um efeito curiosamente paralisante sobre os convidados por ser um mistério comum entre todos.       
               
Depois de se acomodarem, os dez convidados se reúnem e em meio ao silêncio reconfortante uma Voz penetrante e inesperada ressoa acusando cada um dos personagens de homicídio. Após um momento de discrição, os convidados se encontram em meio a um estrondo retumbante de explicações diante dos crimes evidenciados pela Voz. Desde então a história começa a se desenrolar através de algumas mortes misteriosas, as quais são baseadas em uma antiga rima infantil: “Os Dez Soldadinhos”. Sendo assim, após algumas mortes bizarras e uma busca mal sucedida pelo responsável de tais crimes, os convidados passam a desconfiar uns dos outros e a situação se agrava cada vez mais.

                                    “Dez soldadinhos saem para jantar, a fome os move;  
Um deles se engasgou, e então sobraram nove.”

Apesar das pistas encontradas na antiga rima infantil “Os Dez Soldadinhos”, os acontecimentos são narrados de uma maneira tão incrível que o leitor fica de queixo caído em todas as páginas. A narrativa nos leva a criar diversas hipóteses, mas, ainda assim, eu fiquei abismada com o desenvolvimento de cada fato ocorrido nesse livro. É fantástico o modo como a autora faz com que o próprio leitor desconfie de todo e qualquer personagem e ainda se surpreenda ao final da trama.

O que mais me encantou  no livro foi o modo como todo o crime foi arquitetado. É tudo de uma genialidade que você fica sem rumo depois de ler toda a história.


Enfim, super recomendo a leitura para todos que estão a procura de um livro bem desenvolvido e envolvente.







Primavera Literária por Rafaela Pinheiro 2014-2015. Tecnologia do Blogger.