[Resenha] Reencontro

Título: Reencontro
Autor: Leila Krüger
Editora: Novo Século
Páginas: 496 páginas 
Sinopse: "Está bem no fundo. Não se pode alcançar... aos poucos, vai roubando o ar.” Ana Luiza vai perdendo seu fôlego: o fim de (mais) um grande amor, um pai distante, uma mãe fútil, uma amizade complexa e "pessoas que sempre vão embora". Com suas músicas de rock, seus livros e seus cigarros, Ana Luiza vê sua vida desmoronar. "O amor é uma ferida”, ela sentencia. Mas a “garota de olhar longínquo” tem um encontro inesperado com um alguém aparentemente muito diferente dela: os “olhos imensos”, que tudo veem... Presa em seu próprio mundo e rendida ao álcool e às drogas, Ana Luiza tenta fugir. Principalmente do temido amor, que tanto a feriu... Como encontrar, ou reencontrar o próprio destino? Até onde o amor pode ir, até quando pode esperar? O que há além das baladas de rock e dos poemas românticos? Poderá o amor salvar alguém de sua própria escuridão? Às vezes, é necessário perder quase tudo para reencontrar... e finalmente poder amar.

O enredo do livro nacional Reencontro gira em torno da personagem Ana Luiza. Uma jovem de 22 anos que mora em Porto Alegre e cursa Odontologia na PUC. Após o término do seu namoro, a protagonista se encontra totalmente desacreditada no amor. E, quem sabe, até mesmo na vida. Desse modo, Ana Luiza utiliza as drogas, o álcool e o rock 'n' roll como refúgio; uma maneira de fugir da sua realidade.




Fernanda -conhecida como Nana- é sua única amiga fiel. É uma das únicas pessoas em quem consegue confiar, já que Ana Luiza apresenta certa dificuldade no que diz respeito à confiança. Espalhafatosa é a palavra que resume sua melhor amiga. Piercings, tatuagens e roupas coloridas. No entanto, um novo colega da faculdade começa a  se aproximar da protagonista e acaba conseguindo quebrar a barreira existente entre Ana Luiza e o mundo externo. Rafa, como é conhecido, consegue se tornar amigo da Aninha e, quem sabe, conquistar um mínimo da confiança da personagem.

Apesar da proximidade alcançada pelo Rafa no que diz respeito à protagonista, ela ainda não consegue se abrir completamente em função dos acontecimentos ocorridos no passado que a deixaram depressiva. Ela ainda tem medo de que tudo aconteça de novo. Sendo assim, apesar de ter uma melhor amiga e um novo amigo, Ana Luiza ainda vive em um mundo muito particular. Isto é, ela ainda enfrenta sozinha determinados conflitos; ela ainda guarda alguns segredos para si mesma.



Ana Luiza, desanimada com a vida como um todo, percebe que o seu mundo está desmoronando cada vez mais. Após vivenciar alguns conflitos familiares e pessoais, a garota se encontra em uma depressão profunda. E, mais uma vez, ela encontra o seu refúgio nas drogas e no álcool. No entanto, após alguns conselhos a protagonista decide que não quer tudo isso para a sua vida. Após um "empurrão", a personagem recebe forças para continuar a sua vida. Ela encontra motivos para viver, apesar de todos os acontecimentos. E, assim, decide ser uma pessoa diferente, para melhor.

Reencontro é um daqueles livros bem intensos. Aqueles que te fazem refletir sobre diversos assuntos, o que eu achei bem interessante já que não é somente uma história de entretenimento. O leitor consegue extrair várias lições e questionamentos reflexivos a partir do enredo desenvolvido. Além disso, determinadas partes do livro são tão intensas que nós conseguimos sentir na nossa pele o sofrimento da personagem. Mas, ao mesmo tempo, conseguimos aprender, junto da protagonista, alguns valores essenciais. E, apesar de toda essa atmosfera pesada apresentada pela obra, há momentos de descontração em função, principalmente, das relações de amizade desenvolvidas no decorrer da história. Nas palavras da autora, Reencontro é um conto de fadas real que nos faz refletir sobre o que o amor pode fazer.


No que diz respeito à diagramação, eu achei tudo maravilhoso. Apesar de as páginas serem brancas, o tamanho da letra e a fonte utilizada foram excelentes (confesso que as páginas brancas não me incomodaram, e olha que eu não suporto livros com páginas brancas). Além disso, cada capítulo é iniciado com uma frase de algum autor ou algum músico - eu achei isso o máximo.

Não há você sem mim. Eu não existo sem você (Vinícius de Moraes)

E, como se não bastasse, a autora ainda faz diversas referências (livros, autores, músicos etc) durante a história - foi uma das coisas que mais gostei.

O vento ululou. Era um vento plangente, vento de morros uivantes.

No mais, eu recomendo esse livro principalmente para os leitores que gostam de refletir sobre algumas questões peculiares da vida. 



Primavera Literária por Rafaela Pinheiro 2014-2015. Tecnologia do Blogger.